Associação Amazonas Roraima da IASD

HISTÓRIA DA AAMAR

Histórico

A chegada da Mensagem do Advento na Amazônia brasileira.

       Dois colportores, Hanas Mayr e André Gedrath em meados da década de 1920, chegaram ao Amazonas para dar início a divulgação da mensagem do evangelho através da página impressa, na região Amazônica e territórios de Roraima, Rondônia e Acre.

Em uma viagem de reconhecimento pelo Estado do Amazonas, o  Pr. John Brow, conheceu a cidade de Maués e entregou ali, nas mãos do fazendeiro José Batista Michiles um pacote missionário contendo folhetos da mensagem Adventista. Alguns meses depois, o Pr. John Brown retorna acompanhado do Pr. Wilcox à região e visita à Fazenda Centenário. Onde foram surpreendidos com a Família Michiles guardando o Sábado e estudando a lição da Escola Sabatina.

       No fim de 1928, o missionário norte-americano Leo Halliwell e sua esposa, a enfermeira Jessie, que haviam chegado há pouco tempo ao Brasil e trabalhavam na região Nordeste, receberam um chamado para servirem em Belém, no Estado do Pará, onde o Pastor Leo seria o Presidente da recém-criada “Missão Baixo-Amazonas”. O que levaria o casal a desbravar o imponente Rio Amazonas e seus afluentes. Leo e Jessie foram os pioneiros da obra médico-missionária no Amazonas. Sem recursos para construir um barco, Leo, que antes de ser pastor era engenheiro elétrico, em 1930 voltou aos EUA para buscar recursos para a obra no Amazonas. Com seu conhecimento técnico projetou uma lancha para o seu trabalho. O calado do barco era baixo (85 cm) para permitir que a embarcação penetrasse em rios, paranás e furos de pouca profundidade. Possuía 11 metros de comprimento por 3,5 metros de largura. Depois de pronta, a lancha, recebeu o nome de LUZEIRO, antes chamada pelos ribeirinhos de “ANJO BRANCO” A viagem inaugural foi realizada no dia 04 de julho de 1931, partindo do porto de Belém-PA. Desde então, todos os anos o casal missionário Halliwell visitava a Fazenda Centenário para acompanhar o crescimento da Igreja.

       O casal Halliwell, em 1932 visitou os índios do Rio Andirá e, a pedido do chefe indígena Tuxaua, mandou um professor para alfabetizar os índios mundurucus para que assim conhecessem a Jesus. Quando Leo e Jessie chegaram à Amazônia, o número de membros da igreja não passava de dez. Após 25 anos de missão a igreja possuía 2.590 membros, 20 Igrejas organizadas, 70 obreiros, 15 escolas, 19 professores e 4 lanchas. Halliwells fundaram ainda uma clínica médica em Belém-PA, que se transformaria anos depois no Hospital Adventista de Belém, inaugurado em 1951. Depois de um quarto de século de trabalho missionário na região Amazônica, o casal Halliwell foi condecorado pelo Governo Brasileiro com a Comenda da Ordem do Cruzeiro do Sul, a mais alta honraria concedida a estrangeiros que realizaram obra de relevância para o progresso do Brasil. A enfermeira Jessie foi a primeira mulher a ser condecorada com esta Medalha.

         Com o contínuo crescimento a obra de Deus chegou também aos Estados de Rondônia, Acre e Roraima, em meados de junho de 1948 desembarcam depois de 10 dias de viagem de canoa rebocada por um motor emprestado, estabeleceram morada no Bairro do Rói Couro, hoje Bairro São Pedro. Conta-se que o irmão Arthur Figueiredo ao desembarcar em terras rio branquenses, feliz pela nova terra, teria dito: “Hoje a salvação chegou a Boa Vista do Rio Branco”. O fato é, que com a chegada dos irmãos Figueiredo a Boa Vista, foi plantada a semente do Adventismo e embora tenha demorado alguns anos, ela germinou e floresceu, tudo no tempo de Deus.

         Nessa época a comitiva do irmão Arthur Figueiredo era formada por dezessete pessoas: Irmão Arthur, sua esposa D. Rosa Hermínia e duas menores, Denise e Elnise. Sua Filha Nazaré com duas filhas, Ledir e Ada. Seu filho Walter, sua Esposa D. Bernardina e três filhos, Irlene, Ivan e Maloi. Seu sobrinho Nestor e sua esposa D. Maria Marques com a filha adolescente, Francisca Marques. Todos Adventistas do Sétimo Dia. O irmão Arthur Figueiredo construiu uma casa no Bairro Rói Couro e cobriu-a com palha de buritizeiro. Fez uma sala com tijolos de barro cru e o restante da casa cercada de palha, onde teve início a primeira Igreja Adventista do Sétimo Dia em Boa Vista-Roraima.  

          Com tanto crescimento a obra de Deus precisou ser organizada e assim foi criada a Missão Central Amazonas compreendendo os estados do Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre. O primeiro grupo de irmãos Adventistas se reunia na Rua da Instalação, no centro de Manaus.

       Os anos passaram e a igreja seguia crescendo e em 1999 a Missão ganhou o status denominacional de Associação, passando a ser Associação Central Amazonas. De 1940 a 2002, o campo teve 16 Presidentes.

A Divisão

Com a divisão a Associação Amazonas-Roraima dá início as suas atividades com 31 distritos, 382 congregações e 83.219 membros. Com o Pr. Moisés Batista de Souza na presidência, Pr. Alijonfran Lima Brandão como secretário e Pr. Jackson Douglas da Silva Freire. Presidentes que também estiveram a frente da AAmaR:  Alijofran Lima Brandão e Wiglife Areosa Saraiva. Secretários que também aceitaram o desafio da administração: Alijofran Lima Brandão, Waldemar Lauer, Wiglife Areosa Saraiva, Jessé Martins de Oliveira, e José Hadson Gomes Araújo e Wallace Barreto Esterci. Já os tesoureiros que deram continuidade a missão foram: Jackson Douglas da Silva Freire e José Domingos Ribeiro de Oliveira.

A igreja de Deus continua avançando, hoje a Associação Amazonas Roraima é formada por 69 distritos, 837 congregações com 65.085 membros. Administrada por:

Mark Wallacy

Presidente

Thiego Maciel Morais

Secretário

João Carlos Fonseca

Tesoureiro

Com a certeza e gratidão do privilégio e responsabilidade profética de levar ao mundo a última mensagem, a Igreja de Deus se levanta nesta região – Amazonas-Roraima – para continuar anunciando que Jesus em breve voltará! Crendo firmemente que “Até aqui nos ajudou o Senhor” e que Ele continuará nos ajudando até a volta de Jesus.